Como querer que fique tudo sempre bem se nada é estático?

2017

A- A A+
Como querer que fique tudo sempre bem se nada é estático?

Quantas vezes ouvimos que vai ser depois da faculdade? Ou depois do divórcio, ou do filho ter crescido? Quantas vezes ouvimos que vai ser depois de mudar de emprego ou de casa? E quantas vezes a felicidade vai sendo adiada, porque “depois é que vai ser?” Mas... depois, vai ser mesmo o quê?

Por vezes o nosso grande desejo de atingirmos a dita felicidade, faz-nos quase aguardar por ela como se depois, no momento em que ela chegasse, tudo ficasse para sempre bem. Mas se por um lado, a espera desse futuro poderá não nos permitir viver o presente da melhor forma, por outro, é quase como se essa felicidade ao chegar fosse para ficar. E ficará?

A vida pode ser muita coisa, mas estática ela não é. Estamos numa mudança contínua e constante, não aceitar isso, poderá provocar angústias, decepções e desilusões repetidamente, para além de nos poder fazer criar padrões comportamentais não adaptativos, ao tentarmos forçar essa estaticidade. Aceitar esta realidade, permite-nos viver o aqui e agora com mais tranquilidade, e desfrutar do que vivemos no nosso dia-a-dia.

A mudança gera incerteza, não podemos saber exactamente o que vem a seguir e isso naturalmente causa-nos receio. Contudo, é essencial que esse receio não seja bloqueador. Por mais que queiramos controlar o que nos rodeia, prever todas as consequências de uma e outra decisão, não valerá de muito, visto irem existir com certeza muitas situações que vão acontecer de forma imprevisível, sem que tenhamos capacidade para as prever e / ou alterar. E, por isso, é importante aprender a aceitar que tudo o que nos vai acontecendo faz parte da nossa história e da nossa vida, e que viver o dia-a-dia com o que a vida nos dá, ao mesmo tempo que vamos fechando capítulos ou histórias que vão terminando, permite-nos estar livres para receber o que chega até nós.

Viver é estarmos em mudança e renovação. Somos o resultado de todas as vivências, reflexões, partilhas, sensações, tudo o que fomos vivendo até ao presente. Mas como em cada momento vamos integrando novas informações de tudo que nos rodeia, esse resultado está sempre a modificar-se, nessa evolução da nossa pessoa, nesse processo contínuo e constante.

Quando vivemos de forma mais aceitante com o que a vida nos traz, também podemos conseguir aceder ao meu “Eu” mais genuíno, e perceber o que nos faz mais felizes no momento. E isso pode ser o avançar, mas também pode ser o querer amadurecer ideias para avançar mais tarde. Ou seja, não é a minha decisão de avançar ou não, que é o mais relevante; mas sim o que me leva a isso. E assim, ao estarmos conscientes do que nos leva a avançar ou a ficar, vivemos com satisfação por estarmos a fazer, no momento, o que realmente nos faz sentido. Fará realmente sentido aguardarmos pela tal dita felicidade que chegará daqui a algum tempo? Não poderá fazer mais sentido procurá-la também no agora?

Ao longo da vida vamos passando por momentos muito bons, mas porque nada dura para sempre, vamos também, perdendo coisas boas e pessoas importantes, e aí, nesses momentos de perda, naturalmente sentimo-nos tristes, zangados, perdidos... Mas, como nada dura para sempre, nem as coisas boas, nem as más, outras coisas boas virão de seguida, e novos caminhos irão aparecendo. E de forma cíclica, esses altos e baixos vão surgindo e vão acontecendo. A isto se chama Viver.  

“Lei é da Natureza

Mudar-se desta sorte o tempo leve:

Suceder à beleza

Da Primavera, o fruto; à calma, a neve;

E tornar outra vez, por certo fio,

Outono, Inverno, Primavera, Estio”. – Luís Vaz de Camões, em Ode.  

 

Por decisão pessoal, a autora do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.

Joana de São João Rodrigues