PUB


 

 

Isso dói?

2015
sara.ferreira@wonderfeel.pt
Psicóloga. Psicoterapeuta. Membro da coordenação terapêutica do Centro WONDERFEEL - Um Novo Bem-Estar. Membro efectivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses
Publicado no Psicologia.pt a: 2016-01-31

A- A A+
Isso dói?

Antes de mais, comecemos por unir aquilo que, durante muito tempo, esteve (artificialmente) separado: Corpo e Mente. Façamos então esta clarificação prévia: Não existe “só” a dor da Mente. Ou “só” a dor do corpo.

Hoje é claro para os cientistas que o cérebro e o corpo constituem um organismo indissociável. Formam um conjunto integrado por meio de circuitos reguladores bioquímicos e neurológicos mutuamente interativos. Retenhamos pois esta ideia: um e outro “tocam-se”, espelham-se, estendem-se.

E o que fazer com a percepção que temos da nossa dor? Pois bem. Essa é outra questão. Em primeiro lugar, em face do que quer que lhe provoque dor, o facto de focar nisso a sua atenção irá, muito provavelmente, aumentar a experiência de dor. E não... não somos pela apologia da avestruz, bem pelo contrário. Apenas dizemos que muitos de nós caem frequentemente na “armadilha” mental de sobrevalorizar a “importância” de questões que nos incomodam, repetindo-as, reproduzindo-as, repisando-as, ruminando-as (mais alguma começada por “r”?) incessantemente em conversas, desabafos, amargos, irritações os erros ou as lamentações, sem nada mais fazer para além disso e, sobretudo, sem procurar fazer algo de concreto para atenuar ou eliminar esses mesmos incómodos. Aparentemente, sem perceber que esse tipo de “holofote” sobre as maleitas tem por única consequência prolongar o mal-estar ou mesmo contribuir para o seu aumento.

Às vezes é boa ideia investir mais tempo e energia na procura de informação realista sobre situações ou problemas que antevemos como desagradáveis, não se dê o caso de certos cenários que criámos serem muito piores do que, na realidade, o são. Afinal, somos, por vicissitudes várias, algo propensos para o drama e para a tragédia. Mas isso, por si só, não tem mal; é inerente à nossa condição humana. Mas por outro lado, ao procurarmos olhar objetivamente para as questões faz com que comecemos a criar discursos internos mais realistas, adaptados e fundamentados que por sua vez originam padrões de raciocínio mais consentâneos que por sua vez ainda dão origem a sentimentos mais positivos e elaborados - o que é uma via excelente para a Saúde (física-mental).

Estar vivo implica estar aqui e estar agora. Num “agora” que por mais que tenha sido moldado ou condicionado em função de um “outrora” do passado não deve descartar as permanentes e sempre possíveis possibilidades de actualização que o presente nos oferece.

Estamos inscritos neste “presente”, potencialmente em transformação e aberto à mudança, à co-criação e à co-recriação da nossa realidade. Convém lembrar que só porque no passado aconteceu “isto e aquilo” de determinada maneira, nada nos garante que tal se venha a repetir “dessa” forma. Muda-se o contexto, mudamo-nos nós. E, claro, o eterno adágio: mudam-se os tempos, mudam-se as vontades!... Nessa mudança reside toda a diferença.

Celebremos pois a novidade que cada momento nos traz. A novidade que cada novo dia nos propõe. O renascer que cada nova manhã nos mostra. A cura das dores que cada aqui-e-agora nos aponta. Traga-se a si mesmo aqui e Permita-se agora.

 

Sara Ferreira

Sara Ferreira é psicóloga, psicoterapeuta, com formações especializadas na área da Psicologia Clínica e da Saúde e Psicologia Comunitária, sendo actualmente também autora e co-autora em diversas publicações técnicas e científicas de renome, assim como portais de referência na área da Psicologia, desenvolvimento pessoal, saúde e bem-estar. Membro Efectivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, Licenciada em Psicologia Aplicada pelo ISPA – Instituto Superior de Psicologia Aplicada, com experiência curricular e profissional no acompanhamento psicológico de utentes (ambulatório e consultas externas) na Unidade de Psicologia do Hospital de Santa Marta em Lisboa, exercendo actualmente a sua prática clínica maioritariamente em contexto privado. Colaborou como psicóloga na Direcção de Serviços de Psiquiatria e Saúde Mental da Direcção-Geral da Saúde, e em diversos projectos da Comissão Europeia, nomeadamente nas redes EAAD – European Alliance Against Depression e IMHPA – Implementing Mental Health Promotion Action, tendo também colaborado na preparação e edição do Programa Nacional de Luta Contra a Depressão, no contexto de programas prioritários do Plano Nacional de Saúde 2004-2010. Colaborou no Grupo de Coordenação da Saúde, no contexto da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, tendo também desempenhado funções de investigadora em diversos projectos de investigação e grupos de trabalho nacionais e internacionais sobre boas práticas em saúde mental e na área da Psicologia da Saúde, nomeadamente, a European Health Psychology Society.

mais artigos de Sara Ferreira