Artigo científico defende como moralmente aceitável a morte

Regras do Fórum
-----------
O Psicologia.pt não é responsável pelas intervenções dos vários participantes neste Fórum, sendo o teor desses conteúdos, bem como a utilização que se faça dos mesmos, da exclusiva e total responsabilidade de cada utilizador.
Com o objectivo de permitir o total anonimato, o fórum "Pergunte ao Psicólogo" é o único onde é possível a publicação de tópicos por utilizadores não registados.
Ao mesmo tempo, e como deve ser do entendimento de todos, o carácter "anónimo" dos fóruns faz com que este espaço não ofereça condições para interações que se desenvolvam para além da mera "troca de opiniões".
É expressamente proibida neste fórum a divulgação de serviços de psicologia bem como de quaisquer contactos de psicólogos (nomes, nºs de telefone, moradas e outros contactos).
O Psicologia.pt não se responsabiliza pelo rigor técnico e científico, idoneidade e respeito pelos princípios éticos e deontológicos de toda e qualquer participação.

Responder

Código de Confirmação
As letras são maiúsculas e minúsculas. Escreva-as exatamente como aparecem.

BBCode está DESLIGADO
Emoções estão Desligadas

Rever o Tópico
   

Ver mais detalhes Rever o Tópico: Artigo científico defende como moralmente aceitável a morte

Re: Artigo científico defende como moralmente aceitável a mo

Mensagem por Ana Rita » domingo mar 11, 2012 8:12 pm

Vejo este artigo como uma forma de promover o debate do direito à vida e onde esta começa ou acaba. Estas opiniões extremas ajudam sempre a reflectir e até tornar irónico e questionável o que defendemos. Prefiro não acreditar que considerem mesmo válido que por se realizarem abortos, então deveríamos também poder cometer infanticídio.

Re: Artigo científico defende como moralmente aceitável a mo

Mensagem por vectrapc » segunda mar 05, 2012 4:59 pm

Alo,
Li com interesse o artigo e, em termos do que defende, nao me parece assim tao chocante, mas passo a explicar o que entendi. (nao estou a dizer que concordo ou nao, isso seria uma outra questao).

A autora fala na pouca diferenca moral existente entre um feto e um recem nascido, considerando ambos "potenciais" pessoas. Verificando as razoes porque as pessoas comentem abortos (sociais, economicas, psicologicas), considera o "prejuizo" as pessoas existentes como superior ao prejuizo a futura pessoa.

Fala sobretudo em 2 tipos de abortos, os por questoes socio-economicas e, aqui faz o paralelismo, os relacionados com doencas nao detectadas antes do nascimento.

Estas questoes morais que se levantam irao sempre dar origem a diferentes pontos de vista, mas, de facto quando comeca 1 pessoa? quando o espermatozoide fertilizou o ovulo? Mais adiante no desenvolvimento? Ainda dentro da barriga da mae? E as aprendizagens intra uterinas que os fetos parecem indicar? aonde fica a barreira? E esta barreira e deles? Ou somos nos que a colocamos? O que diferencia 1 feto de 1 recem nascido? sao diferencas entre eles ou e a nossa moral?

Quantos pais e maes com filhos com deficiencia se soubessem da mesma antes do nascimento iriam fazer 1 aborto? Quantas criancas "normais" sao mortas enquanto feto pela escolha de maes/ pais? quantos filhos adotados aceitam a sua realidade e nao querem saber porque foram adotados?

Muitas destas questoes nao tenho resposta, mas sobretudo, nao gostaria de estar no papel de quem tem de tomar estas decisoes.

Mais que tudo um artigo para pensar e nao chegar a decisoes ou entao nao sair dos dogmas que ja temos ;)

Artigo científico defende como moralmente aceitável a morte

Mensagem por MariaGabriel » domingo mar 04, 2012 11:58 pm

http://www.publico.pt/Sociedade/artigo- ... do-1536079
Boa noite,
sou estudante de psicologia e gostaria de partilhar convosco esta notícia. Fiquei chocada quando li este artigo . Sugiro que vejam e que deem a vossa opinião.
Obrigada.
Atentamente,
Maria Passos

Topo