Dois psicólogos em simultâneo

A regulação e regulamentação da formação e do exercício da psicologia em Portugal. A acreditação e certificação. A organização da classe profissional. Os direitos e deveres laborais. As organizações representativas. A identidade e a imagem dos Psicólogos.

Moderador: Cristina

cristinapereira
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 276
Registado: quinta mar 03, 2005 1:29 pm

Dois psicólogos em simultâneo

Mensagempor cristinapereira » sexta mai 21, 2010 3:21 pm

Colegas, já me deparei com esta situação e não sei bem o que fazer. Quando seguem uma criança e descobrem que entretanto esta está a ser seguida por outro psicólogo ao mesmo tempo o que fazem?
psiana
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 765
Registado: quarta set 13, 2006 11:47 am
Localização: Lisboa
Contacto:

Mensagempor psiana » sexta mai 21, 2010 8:06 pm

Penso que deve, antes de mais, questionar o seu paciente do motivo pelo qual tem dois terapeutas. Existem situações em que as pessoas estão a ser "seguidas" por instituições de natureza social, ou por motivos de ordem social (Ex: RSI, CPCJ, EMAT, etc.) e nem sabem bem quem são os técnicos que os acompanham, o porquê das referenciações ou mesmo a formação da pessoa que é gestora do caso. Pode ser esta a razão, é importante apurá-la.
Depois, deve informar a pessoa de que contra-producente ser seguida por dois técnicos, até porque existem abordagens diferentes e eticamente também não seria correcto fazer este acompanhamento.

Espero ter ajudado um bocadinho...
cristinapereira
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 276
Registado: quinta mar 03, 2005 1:29 pm

Mensagempor cristinapereira » domingo mai 23, 2010 3:36 pm

No meu caso, como trabalho com crianças, costumo informar os pais e conversar com eles sobre este assunto. Quando os pais são pessoas extremamente perturbadas é mais difícil explicar. Neste caso específico que tenho agora, a mãe foi informada desde o início, pois percebi que a senhora achava que ter 2 ou 3 psicólogas ao mesmo tempo seria muito melhor do que ter apenas uma.
Apesar de ter feito questão de omitir o facto de ter procurado outra psicóloga, a mãe não sabe que o filho me contou. Acredito que a psicóloga sabe que a criança já estava a ser seguida por mim quando deu início ao acompanhamento, por isso não me parece que seja ético que a colega tenha mesmo assim decidido aceitar o caso.
Tal como diz a psiana, devemos informar a pessoa de que é contra-producente ser seguida por dois técnicos. Mas o que devemos fazer quando a pessoa, mesmo assim, procura dois técnicos?
aniger
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 769
Registado: quinta mar 01, 2007 12:23 am

Mensagempor aniger » domingo mai 23, 2010 4:28 pm

Bem que situação complicada , eu no meu local de estágio por exemplo vejo crianças que tem dois psicólogos, mas porque estão referenciadas na CPCJ o que é normal, agora a situação que a colega refere passa pelo facto da mãe da criança "achar que dois , é melhor que um".


A questão aqui era mesmo falar com a mãe da criança e explicar de que forma isso influência o trabalho que a colega esta a fazer , pois de certeza que será contra-producente como já referiu, até porque não sabe o que a outra psicóloga está a fazer.

Por outro, lado é complicado abordar esta questão sem a mãe se perceber que a criança é que lhe referiu e dai podem surgir consequências ( como a criança perder confiança em si).

Mas mesmo , assim penso que deveria contornar esta questão e colocar os pontos nos i , ou seja explicar à criança que não faz sentido estar a ser seguida por dois psicólogos e que com a autorização dele terá assim de contar este "segredo" que ele lhe disse à mãe.

E depois ai sim chamar a atenção da senhora, ou seja, qual a necessidade de 2 psicólogos , será que ela acha que consigo não esta a ter os resultados que pretendia? Há que explicar que tudo leva o seu tempo (também não sei , qual é o acompanhamento que está a fazer) mas que se ainda não estão a existir resultados significativos, até pode ser por parte da mãe, como ela lida com o problema etc...

Por vezes os grandes obstáculos nem estão nas crianças , mas sim na forma como os pais lidam com os problemas.


Pelo menos era o que eu faria e a minha orientadora também já teve de fazer isto e com um paciente que seguia há anos.
Imagem
Ψ Mestrado em Psicologia Clínica

Voltar para “Regulamentação, Exercício e Identidade Profissional”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 3 visitantes