Página 1 de 1

SPO - Clínicos ou só Educacionais

Enviado: quarta set 12, 2007 8:46 pm
por ElsaC
Cada vez mais se levanta a polémica nas escolas relativamente à actividade dos psicólogos clínicos na mesma.

Gostaria de saber qual a opinião dos colegas relativamente a este tema.

Na minha opinião o ideal seria uma complementaridade entre ambos, trabalhando em equipa.

Enviado: quarta set 12, 2007 10:16 pm
por Sónia.rp
Embora o trabalho em equipa seja uma mais valia em qualquer área, penso que especificamente nos spos seria mais conveniente o trabalho de um psicólogo educacional, que reencaminharia os casos necessários para um colega de clínica.

Enviado: quarta set 12, 2007 10:26 pm
por *Marta*
Sónia.rp Escreveu:Embora o trabalho em equipa seja uma mais valia em qualquer área, penso que especificamente nos spos seria mais conveniente o trabalho de um psicólogo educacional, que reencaminharia os casos necessários para um colega de clínica.


Concordo inteiramente.

...

Enviado: quinta set 13, 2007 11:16 am
por CC
Eu também concordo plenamente... contudo infelizmente o panorama que se vive nas escolas portuguesas é exigirem que o Psicólogo desempenhe funções educacionais, clinicas, organizacionais e a maior parte das vezes de assistente social. Enfim!!! :(

Enviado: quinta set 13, 2007 3:34 pm
por Ana Rita
Penso que o ideal seria existir em muitas das escolas um psicólogo clínico e outro educaional. Estamos a milhas de que isto aconteça, mas considero que encaminhar é limitador. São campos de intervenção diferentes e ambos necessários no quotidiano do funcionamento de uma escola.

Enviado: sábado out 20, 2007 1:05 am
por saravilar
Eu inverteria a questão.....Poderá um psicólogo educacional trabalhar num hospital?Num centro de saúde mental?

Poderá um psicólogo do desporto actuar no contexto da justiça ou das organizações???

Porque será que existem ramos de especialização??

Porque será que investem as pessoas em ramos diferentes?

Formei-me para trabalhar em contexto educativo e sem dúvida que o ideal seria um profissional de cada área, mas sabendo dos constrangimentos inerentes à contratação de profissionais, com o devido respeito, é com colegas do mesmo ramo que eu que gostaria de ver trabalhar em contexto educativo.... :roll:

Quando se opta por um ramo, sabe-se à partida qual o contexto mais indicado...Complementaridade, sempre...Substituição de papeis, nunca....

Enviado: sábado out 20, 2007 11:16 am
por Marília
Mas não será possível a coexistência de psicólogos da área clínica e da área educacional numa escola? Exactamente numa perspectiva de complementaridade e nunca de substituição de papéis...

Enviado: sábado out 20, 2007 12:37 pm
por *Marta*
Sim, Marília, sem dúvida, mas quantas escolas conheces que tenham capacidade financeira para contratar, por exemplo, 2 psicólogos (um educacional e um clínico?)? Poucas, não é?
E nos casos onde só é possível contratar um deles?? Puxo a brasa à minha sardinha e respondo: psicólogo/a escolar e da educação. Cada macaco no seu galho...

Enviado: sábado out 20, 2007 12:59 pm
por saravilar
É exactamente nesse sentido que eu falo..Só quando cada macaco estiver no seu galho, isto é, quando cada técnico faça o trabalho na sua devida área, é que a tal complementaridade que obviamente defendo possa ser conseguida.... :D


Até faltam verbas, faltam oportunidades e claro, salve-se kem puder!

Enviado: sábado out 20, 2007 4:55 pm
por Ana Rita
Não vamos confundir as coisas!!! Os psicólgos educacionais são necessários nas escolas, e todas deveriam ter pelo menos um, ponto. Estamos a falar da legitimidade de psicólogos clínicos actuarem em escolas e é óbvio que se existissem verbas poder-se-ia fazer um trabalho muito mais integrador. Não é pela falta de verbas que justificamos que não ha necessidade... Há necessidade, sim. E deveria haver espaço para as duas áreas...porque ao fazer clínica numa escola não se está a actuar fora dessa área de intervenção, nem a ocupar o lugar do educacional. Quando isso acontece, ou seja, quando um clínico ocupa o lugar do educacional é porque está a fazer um mau trabalho, pois este só poderá intervir na sua área. Infelizmente isto acontece, como acontece de estarem educaionais nas organizações...e vice-versa. Por isso não devemos afastar e ganhar alergia a outros ramos, mas sim respeitar a sua área de trabalho, aceitar que pode estar presente noutros contextos (mas com os mesmos objectivos) e lutar para que cada vez menos os profissionais andem em ramos trocados.

Enviado: sábado out 20, 2007 5:15 pm
por saravilar
Concordo :D