Julgar sem uso da razão

Espaço dedicado ao público em geral: aqui poderá apresentar as suas questões e dúvidas, e contar com o apoio dos utilizadores deste fórum. IMPORTANTE: leia as Regras de Utilização antes de participar
Regras do Fórum
-----------
O Psicologia.pt não é responsável pelas intervenções dos vários participantes neste Fórum, sendo o teor desses conteúdos, bem como a utilização que se faça dos mesmos, da exclusiva e total responsabilidade de cada utilizador.
Com o objectivo de permitir o total anonimato, o fórum "Pergunte ao Psicólogo" é o único onde é possível a publicação de tópicos por utilizadores não registados.
Ao mesmo tempo, e como deve ser do entendimento de todos, o carácter "anónimo" dos fóruns faz com que este espaço não ofereça condições para interações que se desenvolvam para além da mera "troca de opiniões".
É expressamente proibida neste fórum a divulgação de serviços de psicologia bem como de quaisquer contactos de psicólogos (nomes, nºs de telefone, moradas e outros contactos).
O Psicologia.pt não se responsabiliza pelo rigor técnico e científico, idoneidade e respeito pelos princípios éticos e deontológicos de toda e qualquer participação.
anonomo
Membro Recém-Chegado
Membro Recém-Chegado
Mensagens: 10
Registado: terça ago 18, 2009 11:42 am

Julgar sem uso da razão

Mensagempor anonomo » domingo jan 16, 2011 8:19 pm

Será isto deformação de carácter, interesse pessoal ou arrogância? Pessoa que, no exercício da sua profissão, gosta de assumir o papel de informante, de avaliadora das capacidades alheias e juíza de mexericos e maledicências. Porém, não tem conhecimento nem qualquer autoridade para realizar as avaliações que faz (pois tratam-se de áreas ou aspectos que não domina ou nos quais é ignorante); o juízo dos mexericos e maledicências é na maioria das vezes realizado sem uso da razão, trapaceando inclusive para os confirmar contra a pessoa atingida. Por vezes apropria-se das qualidades alheias, p.e. afirma que alguém não tem piada, mas usa as piadas dessa pessoa como suas por falta de repertório. Parece julgar-se um exemplo e ser detentora da razão, pois vive em constante julgamento dos demais sempre no sentido da sua depreciação.

Voltar para “Pergunte ao Psicólogo”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 4 visitantes