Depressão

Espaço dedicado ao público em geral: aqui poderá apresentar as suas questões e dúvidas, e contar com o apoio dos utilizadores deste fórum. IMPORTANTE: leia as Regras de Utilização antes de participar
Regras do Fórum
-----------
O Psicologia.pt não é responsável pelas intervenções dos vários participantes neste Fórum, sendo o teor desses conteúdos, bem como a utilização que se faça dos mesmos, da exclusiva e total responsabilidade de cada utilizador.
Com o objectivo de permitir o total anonimato, o fórum "Pergunte ao Psicólogo" é o único onde é possível a publicação de tópicos por utilizadores não registados.
Ao mesmo tempo, e como deve ser do entendimento de todos, o carácter "anónimo" dos fóruns faz com que este espaço não ofereça condições para interações que se desenvolvam para além da mera "troca de opiniões".
É expressamente proibida neste fórum a divulgação de serviços de psicologia bem como de quaisquer contactos de psicólogos (nomes, nºs de telefone, moradas e outros contactos).
O Psicologia.pt não se responsabiliza pelo rigor técnico e científico, idoneidade e respeito pelos princípios éticos e deontológicos de toda e qualquer participação.
novato
Membro Recém-Chegado
Membro Recém-Chegado
Mensagens: 3
Registado: terça jul 24, 2007 10:08 am

Depressão

Mensagempor novato » terça jul 24, 2007 12:02 pm

Caros utilizadores deste espaço:

Para vocês, quais são os melhores métodos que existem para se fazer face a uma depressão?

Obrigado
Clarissa
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 76
Registado: quarta out 11, 2006 1:05 pm
Localização: Lisboa
Contacto:

Mensagempor Clarissa » terça jul 24, 2007 5:00 pm

Boa tarde novato,

Achei a sua pergunta muito evasiva para a problemática em questão (depressão). Mas acho que o primeiro passo é ter um diagnóstico preciso sobre se a pessoa em questão está ou não deprimida. Muitas vezes confunde-se tristeza com depressão, portanto, é fundamental saber exactamente do que se está discutindo para só depois conseguirmos delinear qualquer tipo de tratamento.

Cumprimentos,
Clarissa Lobo
anasofia
Membro Sénior
Membro Sénior
Mensagens: 425
Registado: sábado fev 24, 2007 2:02 am

Mensagempor anasofia » terça jul 24, 2007 7:58 pm

Olá novato!
Ja tive uma depressão há uns tempos... Acho que ainda não estou completamente boa, mas o que mais me ajudou a ultrapassar a situação foram os comprimidos que me receitaram , repouso e o incentivo daqueles que me rodeiam!
O homem solitário ou é uma besta ou é um Deus. (Aristóteles)
novato
Membro Recém-Chegado
Membro Recém-Chegado
Mensagens: 3
Registado: terça jul 24, 2007 10:08 am

Mensagempor novato » terça jul 24, 2007 8:52 pm

Tem razão, provavelmente não consegui explicar bem o que pretendia com esta pergunta...
Imaginemos a seguinte situação:
Uma pessoa com depressão diagnosticada, ou seja, não estamos a falar apenas de simples tristeza, ou uma postura mais negativa face à vida. Estamos a falar de alguém que realmente padece desta doença. Quais serão as melhores formas de tratar esta doença recorrendo à psicologia.

Aproveito para dizer que não estou a falar de um caso real, logo, estou completamente disponível para ler qualquer tipo de resposta que me possa ajudar a perceber quais as melhores terapias.

Agradeço, desde já, a quem já aqui escreveu.
anasofia
Membro Sénior
Membro Sénior
Mensagens: 425
Registado: sábado fev 24, 2007 2:02 am

Mensagempor anasofia » terça jul 24, 2007 9:13 pm

Olá, novato.
Não lhe posso dar uma resposta científica pois não sou psicóloga, apesar de pretender, um dia, ser.
Respondo-lhe como alguém que, infelizmente, conhece a doença na primeira pessoa.
Penso que o acompanhamento psicológico é muito importante nestes casos... Tentar demonstrar ao doente que as coisas boas existem e que estas podem anularas más. O psicólogo deve também conversar acerca dos assuntos que mais incomodam o doente. Eu notei que falar com alguém acerca de algumas coisas que me preocupavam tornou os problemas mais aceitáveis. Os doentes depressivos não gostam que os seus problemas sejam diminizados... Por mais que ás vezes pareçam pequenos inconvenientes!
Acho que a terapia passa muito pela conversa... Apesar de alguns medicamentos poderem ajudar a "digerir melhor o mundo"...
O homem solitário ou é uma besta ou é um Deus. (Aristóteles)
Ana Rita
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 1794
Registado: terça ago 31, 2004 1:44 pm
Localização: Lisboa

Mensagempor Ana Rita » quarta jul 25, 2007 12:21 am

A depressão manifesta-se através de sintomas específicos e comuns, mas a origem desta ou o que a desencadeou depende de pessoa para pessoa. Pode estar relacionada com traços depressivos da personalidade ou simplesmente surgir como uma reacção a um acontecimento de vida sentido como negativo para a pessoa. Logo, não existe uma forma ou uma terapia para a depressão. De acordo com o historial da pessoa (passado e presente) o psicólogo vai actuar na problemática subjacente. A medicação em alguns casos de facto é importante, pois ajuda a pessoa a ganhar alguma motivação e força que são um motor importante na terapia. Contudo, em muitos casos basta a psicoterapia.

No fundo novato, parece que busca uma resposta, mas tal como é dito aos pacientes ou clientes (como queiram nomear) não existem soluções pré-concebidas, tal como não existem pessoas pré-programadas. É possível obter ajuda mas é necessário que esta seja adequada a cada caso.
Se caíres sete vezes, levanta-te oito.
novato
Membro Recém-Chegado
Membro Recém-Chegado
Mensagens: 3
Registado: terça jul 24, 2007 10:08 am

Mensagempor novato » quarta jul 25, 2007 2:07 pm

Obrigado por todas estas respostas, no entanto, ainda não posso dizer que estou elucidado.
Eu entendo que as terapias dependem muito da história de vida da pessoa, presente e passada, mas devem existir (e digo isto com quase 100% de certeza) terapias que melhor se enquadram na problemática da depressão!

É exactamente sobre esta terapias que gostaria de saber mais alguma coisa...

Obrigado a todas as pessoas que me estão a tentar elucidar sobre esta questão.
Clarissa
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 76
Registado: quarta out 11, 2006 1:05 pm
Localização: Lisboa
Contacto:

Mensagempor Clarissa » quarta jul 25, 2007 2:55 pm

Boa tarde novato,

Sabe que existem perguntas mais dificeis de responder do que outras, esta sua pergunta não é fácil de responder porque existem muitas abordagens de psicoterapia, baseadas em teorias distintas, mas ao mesmo tempo com aspectos comuns. Cada terapeuta tem a tendência a procurar aquelas teorias que mais o atraem, seja por questões pessoais e de personalidade, seja pela coerência científica da mesma. Normalmente o teraputa especializa-se numa abordagem específica e irá trabalhar com ela em todos os seus pacientes, o importante é que ele domine a teoria subjacente e acredite que aquela seja a melhor abordagem para os objectivos que se propõe.

Sinto que, ou estou perdida na explicação, ou muito proxima disto... o que quero dizer é que não existe 'A' psicoterapia ideal para uma psicopatologia especifica, neste caso a depressão. Mas existe um par (terapeuta e paciente) que juntos funcionam bem e conseguem chegar aos objectivos propostos. Claro que o paciente (muitas vezes leigos nestes assuntos) não sabe ao certo qual a melhor abordagem para si, muitas vezes nem imagina que existem mais de uma forma de trabalhar, e acaba por se submeter a abordagem que foi 'imposta' pelo terapeuta, que é a que ele acredita e trabalha. No entanto, algumas abordagens não são muito adequadas a personalidade do paciente e quando isto acontece a terapia não evolui. É papel do terapeuta identificar esta dificuldade e encaminhar a um colega de outra abordagem que ele acredite ser mais útil àquela pessoa em específico.

Tentando ser mais específica, vou falar de 2 abordagens por conhecé-las um pouco melhor do que as outras. A primeira é a que está baseada em teorias analíticas e a segunda a que está baseada em teorias cognitivas-comportamentais. No caso de uma depressão profunda e de longa data, sem um motivo aparente, acredito que a abordagem analítica é muito eficaz porque consegue ser mais abrangente e não está focalizada em nada em específico. Quando a depressão é desencadeada por um acontecimento 'exterior' (perdas, mudanças, etc) e só a partir desse momento aparecem sintomas depressivos, quando anteriormente o funcionamento geral da pessoa era adequado, acredito que a abordagem cognitiva-comportamental pode ser de grande ajuda, porque usa técnicas capazes de reabilitar a pessoa num espaço de tempo muito mais curto do que a terapia analítica. Mas ambas as abordagens podem e tratam todo o tipo de psicopatologia e têm muito bons resultados. O mais importante para que a terapia evolua é o bom funcionamento do par terapêutico (paciente e terapeuta) e a sensação de conformo por parte do paciente com a forma como o terapeuta trabalha. Porque o paciente pode não conhecer as abordagens, mas sabe se aquela pessoa com a sua técnica o ajuda ou não.

O bem estar do paciente é SEMPRE o principal objectivo do terapeuta, mesmo que chegem (juntos terapeuta e paciente) a conclusão que o melhor é o paciente procurar outro terapeuta, não necessariamente porque o primeiro era um mau profissional, mas porque o conjunto não estava funcionando bem.

Atenciosamente,
Clarissa Lobo
anasofia
Membro Sénior
Membro Sénior
Mensagens: 425
Registado: sábado fev 24, 2007 2:02 am

Mensagempor anasofia » quarta jul 25, 2007 8:16 pm

Clarissa,
gostei muito da sua explicação e, mesmo não percebendo muito do assunto, parece-me que tem razão naquilo que diz. Afinal, o mais importante é o bem-estar do paciente... O psicólogo tem de optar por um método que funcione com determinado tipo de pacinte.
O homem solitário ou é uma besta ou é um Deus. (Aristóteles)
Tangerina
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 71
Registado: quinta abr 15, 2004 8:36 pm
Localização: Caparica
Contacto:

Mensagempor Tangerina » quarta jul 25, 2007 9:00 pm

cara...
Concordo com o que dizes, mas dado o meu exemplo, sou cognitivo-comportamental, logo posso fazer este tipo de terapia e não um modelo analítico.
Todos os modelos poderão ser bons, mas o técnico tem de utilizar o que se sente mais preparado, ou não?
Tangerina
Clarissa
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 76
Registado: quarta out 11, 2006 1:05 pm
Localização: Lisboa
Contacto:

Mensagempor Clarissa » quinta jul 26, 2007 9:14 am

Bom dia Tangerina,

Essa pergunta era para mim?

É excatamente esta a questão, todas as abordagens de terapia psicólogica podem tratar todas as psicopatologias, não existe tal coisa como um tipo de terapia adequada para uma problemática específica, todas são válidas e possuem resultados de acordo com a personalidade do paciente e não o seu problema.

O terapeuta, como é óbvio, escolhe aquela que mais se identifica e com a qual tem capacidade de trabalhar, mas deve estar atento aos sinais do paciente se este não responder ao tratamento da maneira prevista, porque pode ser uma incompatibilidade entre a sua personalidade e a abordagem do seu terapeuta. Eu particularmente nunca conseguiria aderir a uma aborgadem congnitiva-comportamental (enguanto paciente), porque tenho necessidades pessoais que não são compatíveis com esta abordagem.

Espero ter sido mais clara. Estas são ideias que eu defendo, mas com certeza outras pessoas pensam de maneira diferente sobre este assunto, no entanto eu só posso falar por aquilo que acredito, baseada na experiência que tenho.

Cumprimentos,
Clarissa Lobo
Leandro Vittorazzi
Membro Recém-Chegado
Membro Recém-Chegado
Mensagens: 1
Registado: quinta set 20, 2007 9:57 pm

Depressão !!

Mensagempor Leandro Vittorazzi » terça set 25, 2007 2:45 am

Saudações futuros colegas de Trabalho


Infelizmente , a depressão ja é o mal do século , fruto de uma mente mal educada , sem muitos mecanismo de compensação a essa tal Felicidade .
Depressão no começo , sem uma razão aparente , talvez mostre apenas que vc está diante de um conflito interno muito grande , talvez "inconsciente " e que infelizmente ainda não tem suporte mental para poder superar .
A busca de sentimentos "prazerosos" que antigamente o levavam a se sentir com prazer pode ser um bom começo .
Mas se não conseguir chegar ao começo da depressão , somente vai se conseguir o " alivio temporário dos sintomas " mas mesmo assim talvez permitindo um modo de pensar mais solto , livre e relaxado ....
Sem a quebra de paradigmas antes funcionais e assim substituir por novos paradigmas ... não há muita chance de sucesso .


Quero deixar bem claro que não sou " Psicólogo ainda " , moro no Brasil e tenho apenas 22 anos , começo minha faculdade em Fevereiro , mas tenho a lgum contato com a Psicologia Freudiana , e pouquissimo conheçimento da Terapia Cognitiva ...

Um grande abraço a todos e espero ter ajudado !!!
miosotis
Membro Habitual**
Membro Habitual**
Mensagens: 211
Registado: segunda mai 03, 2004 7:35 pm

Mensagempor miosotis » terça set 25, 2007 12:39 pm

Clarissa Escreveu:Bom dia Tangerina,

Essa pergunta era para mim?

É excatamente esta a questão, todas as abordagens de terapia psicólogica podem tratar todas as psicopatologias, não existe tal coisa como um tipo de terapia adequada para uma problemática específica, todas são válidas e possuem resultados de acordo com a personalidade do paciente e não o seu problema.


Cumprimentos,


Permita-me discordar.


Em mais de 100 anos de intervenção com o sistema/ terapia dinâmica, esta nunca conseguiu provar eficácia ou resultados úteis. Os milhares de estudos que se fizeram ao longo de décadas nunca mostraram qualquer eficácia do modelo dinâmico; alguns até mostram que este modelo é prejudicial para muitas pessoas. Tem tido resultados com esta intervenção?

O modelo dinâmico e a psicoterapia analítica breve é péssima em operacionalização do modelo e muito fraca em estratégias e técnicas de intervenção. Muitos manuais, como vários do Coimbra de Matos parecem autênticos delírios e descrições inúteis, que pouco ou nada aliviam, mas que em muito interpretam e "diagnosticam". Para nem falar de um vocabulário denso e ilegível para um leigo...

Este é um modelo que pessoalmente descarto. Estes dados estão publicados em muitos manuais e revistas.

Acredito também que nem todas as pessoas se darão bem com uma intervenção "rígida" cognitivo- comportamental", daí combina-la com uma abordagem mais "narrativa" / construtivista".
Clarissa
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 76
Registado: quarta out 11, 2006 1:05 pm
Localização: Lisboa
Contacto:

Mensagempor Clarissa » terça set 25, 2007 2:52 pm

Olá miosotis,

Acho completamente válido que pense diferente de mim, e é muito saudável duvidar de modelos e técnicas aplicadas a psicologia clínica. Eu tenho uma visão completamente diferente da sua, é muito provável que os nossos percursos profissionais tenham sido influenciados de diversas maneiras, assim como as diferenças pessoais e história de vida de cada um influênciam naquilo que acreditamos.

Compreendo que ache a literatura psicanalítica delirante, e realmente ela não foi escrita para leigos. Mas descobri que quando profissionais desta área tentam apresentar um estudo de caso num tempo e/ou espaço limitado (que sempre o é, porque só mesmo o terapeuta sabe o que se passa em dezenas de sessões) a apresentação do caso torna-se simplista e contendo apenas o essencial, o que dá ao discurso um aspecto pouco fundamentado e por vezes delirante.

Eu trabalho numa linha de orientação analítica, porque acredito nos seus fundamentos e tenho resultados na sua aplicação. Provavelmente se facassasse com frequência na clínica colocaria em causa para além da minha capacidade enquanto profissional, a linha de orientação que sigo. Mas continuo a defender a importância da variedade de orientações terapêuticas porque as pessoas são infindavelmente diferentes e precisam e procuram formas de ajuda diferentes.

Quem sabe não marcamos um grupo de discussão interessante para debatermos este tipo de questão, com certeza enriqueceriamos muito mais com uma discussão em directo.

ps: as pessoas publicam muita coisa, nós é que temos que fazer a seleção do que realmente pode ser considerado válido ou não, a capacidade crítica do leitor é indispensável para a construção de ideias sólidas. Acredito que a dúvida é sempre o melhor caminho para o conhecimento, duvide sempre do que lê e tire suas próprias conclusões sobre a que foi lido.
Clarissa Lobo
miosotis
Membro Habitual**
Membro Habitual**
Mensagens: 211
Registado: segunda mai 03, 2004 7:35 pm

Mensagempor miosotis » terça set 25, 2007 10:50 pm

Parabéns pela sua resposta!

Concordo, as pessoas são infinatemente diferentes e a variedade de modelos aplicar-se-á a uma variedade de pessoas...
mindwaste
Membro Recém-Chegado
Membro Recém-Chegado
Mensagens: 1
Registado: segunda mar 26, 2007 7:11 pm

Mensagempor mindwaste » sábado out 06, 2007 2:20 am

o que é provar eficácia? melhorar o BDI? estamos a falar de ciências humanas ou de ciências exactas?
miosotis
Membro Habitual**
Membro Habitual**
Mensagens: 211
Registado: segunda mai 03, 2004 7:35 pm

Mensagempor miosotis » quinta out 25, 2007 10:49 pm

Resultados são por exemplo, as pessoas sentirem-se menos ansiosas ou deprimidas.

Os resultados não são importantes?

Falo de Ciências Humanas...
darc
Membro Iniciante
Membro Iniciante
Mensagens: 23
Registado: segunda jun 25, 2007 3:40 pm

Mensagempor darc » terça nov 06, 2007 11:30 am

Ola Bom dia, gostaria de saber se alguem me pode explicar quais são as consequencias ao nivel da Estabilidade emocional que podem advir a Uma pessoa que já passou por uma data de depressões (5).

Voltar para “Pergunte ao Psicólogo”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 5 visitantes