Qual o melhor caminho?

Espaço dedicado ao público em geral: aqui poderá apresentar as suas questões e dúvidas, e contar com o apoio dos utilizadores deste fórum. IMPORTANTE: leia as Regras de Utilização antes de participar
Regras do Fórum
-----------
O Psicologia.pt não é responsável pelas intervenções dos vários participantes neste Fórum, sendo o teor desses conteúdos, bem como a utilização que se faça dos mesmos, da exclusiva e total responsabilidade de cada utilizador.
Com o objectivo de permitir o total anonimato, o fórum "Pergunte ao Psicólogo" é o único onde é possível a publicação de tópicos por utilizadores não registados.
Ao mesmo tempo, e como deve ser do entendimento de todos, o carácter "anónimo" dos fóruns faz com que este espaço não ofereça condições para interações que se desenvolvam para além da mera "troca de opiniões".
É expressamente proibida neste fórum a divulgação de serviços de psicologia bem como de quaisquer contactos de psicólogos (nomes, nºs de telefone, moradas e outros contactos).
O Psicologia.pt não se responsabiliza pelo rigor técnico e científico, idoneidade e respeito pelos princípios éticos e deontológicos de toda e qualquer participação.
Blossom
Membro Recém-Chegado
Membro Recém-Chegado
Mensagens: 3
Registado: terça abr 01, 2008 7:38 pm

Qual o melhor caminho?

Mensagempor Blossom » segunda abr 14, 2008 2:00 pm

Penso que aquilo a que chamo o "meu problema" deve ser bastante comum, mas ainda assim, nao sei o que fazer, e estou a ficar exausta.

Tenho 23 anos, estou no segundo ano da Licenciatura de Sociologia. É um curso que nunca quis, nunca tive sequer qualquer formação especifica no secundário dentro desta área, somente uma vertente mais ligada à Psicologia Social.
A verdade é que fiz o secundário com o curso de Animação Sociocultural, algo que gostei bastante. Quando acabei o 12º ano, digamos que me vi "obrigada" a ir para a faculdade. Sempre vi, o ensino universitário como algo mais, que devia ser apenas uma escolha pessoal, seria uma mais valia no futuro, tanto a nivel profissional como pessoal. Mas sempre achei que devia ser uma opção fundamentada e consciente, e sobretudo, que recaísse sobre algo que realmente gostássemos. Nao sou apologista daquilo a que chamo "cursos uteis", seguir algo somente porque tem mais saída do que aquilo que realmente se queria. Nao sei se é infantilidade ou imaturidade pensar assim.

Mas continuando, para nao me perder..

Os meus pais, sempre quiseram que fosse para a faculdade, talvez por o meu pai ter tirado um curso ja bem tarde, quase com 40 anos, talvez por nunca terem tido a vida que desejavam para eles e para nós (filhos), a verdade é que fui bastante pressionada nesse sentido. Nunca me deixaram fazer outra escolha. Sempre que falávamos em eu nao ir para a faculdade logo após o 12º ano, ficavam bastante reticentes, sempre puseram bastantes problemas a qualquer trabalho que tentava arranjar.
E assim sendo, segui Sociologia. Bastante influenciada por opinioes alheias, e por uma confusao enorme que ia dentro da minha cabeça. Achei que "nao era mau", e como nao me conseguia decidir por outro, foi assim.
E agora, no 2º ano da Licenciatura.. Estou desesperada.. Ha muito pouco ali que me motive, nao consigo ter uma percepção optimista do meu futuro, porque nao me vejo a fazer nada daquilo.
A verdade é que, tenho feito alguns trabalhos de Animação, com crianças e jovens, e agora que me deram oportunidade de trabalhar com idosos, fiquei entusiasmada. Mas nao era algo compativel com os estudos.
Mas nao sei o que fazer.. Queria conseguir fazer a escolha certa, mas nao consigo falar com os meus pais, ia acabar tudo numa discussao enorme, onde iam acabar por me dizer que se comecei algo tenho de acabar, e que a vida é assim mesmo, tenho de aprender a "engolir sapos".. So que nao sou uma adolescente, mas tambem ainda sou nova.. Se puder mudar algo na minha vida, nao deverá ser agora?


E assim sendo, estou no fim do 2º ano, mas duvido que o complete. Estou à meses, desesperada a pensar em alternativas, soluçoes. Com isto perdi a vontade de sair, de estar com os amigos, perdi a força e a energia que sempre tive. Sinto que nao tenho a vida que quero, e por mais que tente, ha sempre alguem acima de mim, a contrariar as minhas opçoes.

A verdade é que os meus pais, sempre fizeram tudo por mim, e me compreenderam. Menos nesta parte. E nao os quero desiludir de forma nenhuma. Mas sinto que me estou a perder no meio deste processo em que me devia estar a encontrar.
Nao sei se assumo aquilo que quero, ou se conformo com aquilo que tenho.


Ja procurei psicologos na minha zona, para tentar consultar um. Embora nao saiba se será caso para isso ou nao. Mas acho que preciso de uma opiniao isenta no meio disto tudo. De alguem que veja aquilo que eu nao consigo.



Obrigado,

Joana
"No one is free when others are oppressed"
Ana Rita
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 1794
Registado: terça ago 31, 2004 1:44 pm
Localização: Lisboa

Mensagempor Ana Rita » segunda abr 14, 2008 3:15 pm

Ola Joana, como psicólogos é muito comum depararmo-nos com jovens adultos que se debatem entre os seus desejos e as expectativas dos pais. Um profissional poderá ajudar-te a reflectir na tua tomada de decisão. A culpa é um sentimento muito forte e, por vezes, tomamos as opções erradas só para não termos de a sentir. A desilusão de quem gostamos gera essa mesma culpa, porque acreditamos que se não fizermos o que os outros esperam de nós, estes vão gostar menos de nós. Depois, chega-se à conclusão de que afinal só precisamos de gostar de nós próprios para que os outros, mais tarde ou mais cedo nos aceitem, sem que isso coloque em causa relações significativas.

De qualquer das formas, procura alguém que te possa ajudar a perceber a origem do teu desconforto.
Se caíres sete vezes, levanta-te oito.
AnadeSousa
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 236
Registado: quinta abr 27, 2006 12:58 pm
Localização: Lisboa
Contacto:

Mensagempor AnadeSousa » segunda abr 14, 2008 3:38 pm

Olá Joana,
O primeiro passo já tu deste, tomaste consciência que necessitas de uma ajuda de alguém exterior, alguém que não associe ideias pré-concebidas pelo que A, B ou C diz ou sabe, etc. Tu tens crítica, ou seja, és capaz de compreender que algo não está bem e que poderás estar a comprometer o teu futuro e esse é o primeiro passo para que possas tomar a decisão certa. Tu própria admites que esse sentimento já se alastra para outras áreas da tua vida, dificultando o teu convívio social, por exemplo, o que te deixa infeliz. Apenas necessitas de um "empurrãozinho", e aí, a procura de um psicólogo pode ser útil se achares que não estás a conseguir dar essa passo sozinha.
Boa sorte!
Última edição por AnadeSousa em segunda abr 14, 2008 8:11 pm, editado 1 vez no total.
Ana Sousa - Psicóloga Clínica
http://anasousapsicologa.blogspot.com/
Avatar do Utilizador
Psycologo
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 442
Registado: quinta out 28, 2004 10:42 am
Localização: Espinho
Contacto:

Mensagempor Psycologo » segunda abr 14, 2008 4:53 pm

Eu penso que depois de tudo o que sentes estás apenas a ver o lado negativo. O lado positivo é que ao tirares o curso em Sociologia estás a seguir na área que pretendes. O curso é que pode não estar a corresponder às tuas expectativas. Pode estar a ser bastante teórico. Mas lembra-te que isso se torna necessário. Ao mesmo tempo, podes aproveitar e apostar em formações na área da animação social e sociocultural. Assim terás bases teóricas (curso de sociologia) e bases práticas (animação).
"Vive o Minuto ao Segundo"
anasofia
Membro Sénior
Membro Sénior
Mensagens: 425
Registado: sábado fev 24, 2007 2:02 am

Mensagempor anasofia » segunda abr 14, 2008 7:54 pm

Olá,
De facto é muito mau fazer aquilo que os outros querem que façamos e não aquilo que nós queremos fazer.
Só podes adquirir alguma coisa positiva se fizeres as coisas com prazer.
Penso que, nesta altura, é preciso reflectir bastante acerca da situação em geral; esquecer a opinião dos pais e familiares, e pensar somente na tua opinião: O que é que queres fazer?
Somente quando souberes o que queres fazer é que podes tomar um rumo.
Quanto à ida ao psicólogo ou não.. Penso que tu saberás se isso é importante ou não... Se sentires necessidade, se achares que sozinha será difícil resolver o problema então aconselho-te a consultar um psicólogo.

No entanto, pensa sempre que existem várias opções... Que não estás encurralada...

Isto é so a minha opinião como estudante de Psicologia (não sou psicóloga)
O homem solitário ou é uma besta ou é um Deus. (Aristóteles)
Blossom
Membro Recém-Chegado
Membro Recém-Chegado
Mensagens: 3
Registado: terça abr 01, 2008 7:38 pm

Mensagempor Blossom » segunda abr 14, 2008 10:30 pm

Se calhar, estou apenas a ser negativa. Mas ali sinto-me presa. A verdade é que sempre fui muito idealista, imaginava a minha vida de maneira tão diferente nesta altura. Sinto necessidade de me sentir realizada de alguma forma, coisa que assim nao estou a conseguir. E é exactamente esse sentimento de culpa, de que falaram, que nao consigo superar. Sei que tenho a culpa de nao ter tomado a decisao certa na altura devida, e que essa decisao, infelizmente, nao me afecta só a mim.

De qualquer forma, obrigado por todas as respostas. Foi importante.
"No one is free when others are oppressed"
anasofia
Membro Sénior
Membro Sénior
Mensagens: 425
Registado: sábado fev 24, 2007 2:02 am

Mensagempor anasofia » segunda abr 14, 2008 10:56 pm

Olá.
E já pensaste se te sentirás realizada ou não depois de tirar o curso?? É que ás vezes até é normal sentirmo-nos desmotivadas durante o curso... Ás vezes as disciplinas não correspondem ás nossas expectativas, outras vezes não nos inserimos bem na turma... etc
:)
O homem solitário ou é uma besta ou é um Deus. (Aristóteles)
asilvestre
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 398
Registado: quinta jun 28, 2007 4:15 pm
Localização: Distrito Viseu

Mensagempor asilvestre » terça abr 15, 2008 12:12 am

Olá Joana.

Encontras-te numa fase da tua vida em que tens de tomar decisões que podem mudar completamente o teu futuro daí ser extremamente importante que penses bem no que queres fazer. Talvez seja importante procurares ajuda especializada para te apoiar nessa escolha, mas nenhum técnico te dirá o que fazeres da tua vida, tens de ser tu a dar o primeiro passo, o técnico apenas te auxiliará na caminhada...

Se realmente chegares à conclusão que vires a ser sociologa afinal não é o que sonhaste para ti e que essa situação está a tornar-se uma fonte de ansiedade e conflitos internos então o ideal será mesmo reflectires acerca da permanência ou não no referido curso. No entanto e no caso de optares pela desistência, será fundamental antes de mais teres alternativas ou objectivos concretos para dares continuidade à construção do teu futuro sem te sentires "perdida".

Cumprimentos e boa tomada de decisão :wink:
Avatar do Utilizador
Psycologo
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 442
Registado: quinta out 28, 2004 10:42 am
Localização: Espinho
Contacto:

Mensagempor Psycologo » terça abr 15, 2008 10:19 am

O curso de sociologia não implica que venhas a ser pura e simplesmente uma socióloga. Existe muita flexibilidade no mundo laboral. Se não nota: quantos psicólogos se deverão sentir perdidos e desmotivados por ainda não terem adquirido o seu objectivo e os seus sonhos? Por exemplo, trabalharem na área. Quantos não terão tirado um curso que pensaram que era a "cara deles" e depois viram que a realidade não era como pensavam? Quantas vezes mudamos os nossos objectivos e sonhos durante a vida?
Sugestão: Deves 1º saber o que não queres, para a partir daí traçares o(s) teu(s) caminho(s). Uma licenciatura em Sociologia não te impedirá de cumprires ou atingires um sonho. Até pode ser um meio para atingires um fim.
"Vive o Minuto ao Segundo"
Cristina Silva
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 800
Registado: quinta out 25, 2007 9:52 am

Mensagempor Cristina Silva » terça abr 15, 2008 10:44 am

Blossom, às vezes é preciso revoltarmo-nos e entrar em conflito, para não nos deixarmos abafar em sentimentos que aqui descreve: “, ha sempre alguem acima de mim, a contrariar as minhas opçoes.” e “E nao os quero desiludir de forma nenhuma”. A única pessoa a quem não tem de desiludir, é a si mesmo(a).

Agora, a revolta e o entrar em conflito traz consequências que podem ser desagradáveis e trazer ansiedade, mas isso é mais construtivo do que deixar-se arrastar nesse sentimento de ser o filho(a) perfeito(a) para não entrar em confronto com os seus pais ou achar que eles vão pensar que é ingrato(a)! Não se deixe imbuir na culpabilidade.

Já não é nenhum(a) adolescente, tem mesmo que entrar em conflito para que se possa afirmar como pessoa e depois naturalmente encontrar o seu caminho, seja ele qual for. Se não consegue faze-lo sozinho(a), então sim, procure ajuda.

Se sente que há sempre alguém acima de si a contrariar as suas opções, o que vai fazer em relação a isso? Vai continuar a permitir?

Força!

Cristina Silva

Voltar para “Pergunte ao Psicólogo”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 5 visitantes