Dependencia

Espaço dedicado ao público em geral: aqui poderá apresentar as suas questões e dúvidas, e contar com o apoio dos utilizadores deste fórum. IMPORTANTE: leia as Regras de Utilização antes de participar
Regras do Fórum
-----------
O Psicologia.pt não é responsável pelas intervenções dos vários participantes neste Fórum, sendo o teor desses conteúdos, bem como a utilização que se faça dos mesmos, da exclusiva e total responsabilidade de cada utilizador.
Com o objectivo de permitir o total anonimato, o fórum "Pergunte ao Psicólogo" é o único onde é possível a publicação de tópicos por utilizadores não registados.
Ao mesmo tempo, e como deve ser do entendimento de todos, o carácter "anónimo" dos fóruns faz com que este espaço não ofereça condições para interações que se desenvolvam para além da mera "troca de opiniões".
É expressamente proibida neste fórum a divulgação de serviços de psicologia bem como de quaisquer contactos de psicólogos (nomes, nºs de telefone, moradas e outros contactos).
O Psicologia.pt não se responsabiliza pelo rigor técnico e científico, idoneidade e respeito pelos princípios éticos e deontológicos de toda e qualquer participação.
Joana_S
Membro Recém-Chegado
Membro Recém-Chegado
Mensagens: 3
Registado: domingo mar 07, 2010 11:10 pm

Dependencia

Mensagempor Joana_S » domingo mar 07, 2010 11:45 pm

Não sei se este será o local mais indicado para colocar a minha dúvida, mas penso que sim. Necessito muito de ajuda em relação ao meu marido.
Gosto muito dele e não quero de forma alguma chegar a um ponto em que seja necessário haver uma ruptura no casameno por causa do vício dele.
Passo a descrever o meu problema. Ele sempre foi uma pessoa que sempre gostou muito de estar no computador e na internet, sempre foi assim mesmo quando namoravamos á cerca de 10 anos. Quando casamos continuou sempre muito agarrado ao computador e a internet, mas a internet acho que não é o maior dos vicios, o importante mesmo é estar no computador. Entretanto depois de casados decidimos criar a nossa empresa e ele aproveitou para justificar as longas horas passadas ao computador, dizendo que era uma questão de trabalho e que estava no PC porque se sentia pressionado para arranjar trabalho. O problema é que ele sempre passou muitas e longas horas no PC e muitas vezes deixou de dar atenção a familia em deterimento do dito computador. Como o computador não estava em casa mas sim num escritorio a poucos minutos de casa "mal ou bem" de certa forma essas longas horas conseguiam-se controlar, o problema é que desde há alguns meses passamos a trabalhar num anexo á casa logo agora tem todos os argumentos para lá estar. Quando acorda vai logo trabalhar, o que é normal, ainda por cima o trabalho dele depende muito do computador até á hora de ir buscar o filho á escola.
Neste momento que estamos no anexo á casa até já propos algumas vezes não ir buscar o filho para ficar no PC, uma coisa que lhe dava prazer no passado que era ir buscar o filho, agora só vai porque eu digo e obrigo a ir. Vai buscar o filho a escola voltamos para casa e ele está sempre em "escapadinhas" para o Pc, com desculpas que vai ver o mail ou fazer outra coisa. Jantamos e no fim de jantar vai ao café e as vezes leva o filho, o que demora cerca de 15 minutos, e quando volta já ninguem o vê mais porque ele já tem de estar no PC. O problema é que agora chega a estar até as 5h da manha em frente ao mesmo e levanta-se no outro dia as 8h30m para voltar ao mesmo ritmo. Muitas vezes só vai para a cama porque o vou chamar.
Agora chegamos á situação de sair de casa para ir passear e ele tenta-se controlar mas tá sempre aflito e tenta arranjar argumentos para voltar rapidamente para casa para se puder sentar em frente ao PC.
No passado antes do problema se tornar tão grave ele falou com um neurologista, numa consulta que decediu fazer por outros motivos, sobre o facto de achar que eventualmente podia ser projudicial este comportamento e fui-lhe aconselhado a ter um hobbie para se desligar.
O problema é que este comportamento tem-se agravado, e depois se eu peço ou arranjo formas de ele não ir para o PC até para estar comigo ele fica mal disposto e trata-me de forma pouco agradável e não percebe nem quer compreender que o faz. Chega ao ponto de dizer que sou eu que o chateio e não o compreendo os argumentos dele (que não são nenhuns). Para todos os efeitos ele mente a ele mesmo e convemse-se que está no PC porque é trabalho, quando poucas vezes tem a ver com trabalho.
Estou completamente desesperada porque já não sei como lidar com esta situação e ele não admite o problema e não quer ser ajudado.
Poucas são as vezes que ele admite que está no PC não como trabalho mas sim como hobbie.
Quando o consigo privar do PC ou ele tenta fazer um grande esforço e fica uma noite ou grande parte do dia sem lá ir, considera que está ausente do seu PC há varios dias e isso é motivo para voltar a rotina dele, ter de voltar ao Pc horas e horas. Quando lhe digo que uma noite ou parte do dia não é nada para os dias de ausencia dele em casa com a familia ou privar de devertimento infelizmente ele faz questão de não entender.
Eu já não tenho a atenção dele e sinto-me cada vez mais só e sinto a ausencia dele.
Neste momento considero que tem um vicio dependente do Pc, tal como um alcoolico ou um dependente de drogas.
Que devo fazer? Como o convencer a admitir o problema dele?
Agradeço qualquer ajuda que me possam dar.
Obrigada
asilvestre
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 398
Registado: quinta jun 28, 2007 4:15 pm
Localização: Distrito Viseu

Mensagempor asilvestre » segunda mar 08, 2010 10:31 am

Olá Joana. Em termos de terapia é um mau começo a partir do momento em que o seu esposo não reconhece a existência de um problema. Pelo que nos descreve, para ele, está tudo normal e a senhora é que está a dramatizar. Não desespere. Este tipo de comportamento é frequente numa pessoa que tem algum tipo de adição.

Tente expor-lhe o seu ponto de vista através do diálogo, fale por si e não por ele. Não comece o diálogo pelo o "Tu", comece antes pelo "Eu", exponha os seus pensamentos/sentimentos acerca da situação pela qual estão a passar.

Procure ajuda de um profissional mesmo que o seu esposo para já não mostre vontade de a acompanhar.

Voltar para “Pergunte ao Psicólogo”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 5 visitantes