Revistas Femininas vs Revistas Masculinas

A partir da articulação das principais correntes da Psicologia e das dimensões psíquicas e comunicacionais idiossincráticas, pretende-se a elaboração de uma abordagem das relações entre arte, cultura, psicologia e desenvolvimento humano.

Moderadores: AbLaZe, Liliana Costa

anacgouveia
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 18
Registado: domingo dez 14, 2008 4:25 pm
Contacto:

Revistas Femininas vs Revistas Masculinas

Mensagempor anacgouveia » terça mai 12, 2009 5:23 pm

Colegas,

Não sei se alguém tem por hábito ler ou passar "uma vista de olhos" a este tipo de revistas.. Eu gosto sempre de saber os conteúdos dominantes para atrair o público feminino e masculino, respectivamente..Julgo que muitas das vezes têm um contributo importante e felizmente, convidam psicólogos a escrever artigos interessantes sobre família, trabalho, etc etc.. Apesar de simples, acredito que esclarecem e ajudam algumas pessoas no seu dia-a-dia..

Agora o que me inquieta é o tema do "Amor"...Progressivamente, o Sexo assume uma preponderância excessiva..Sabemos que vende, não é verdade? No entanto, tanta informação (se não incentivo) sobre "novas tendências" remete os conceitos de amor, carinho, cumplicidade para um lugar sem importância..Parece que o que vale e está na moda é experimentar tudo (e quanto mais rápido melhor porque lá vem o lema de que a vida são dois dias)..E se alguns/algumas de nós sabemos discernir as coisas, um público mais novo pode ser um tanto ou quanto "corrompido"...

Deixo alguns exemplos de uma revista feminina deste mês:

"sempre quis experimentar s** com dois homens em simultâneo?Umas férias sem companheiro e vontade de ousar são os ingredientes necessários para ganhar coragem e contratar dois acompanhantes masculinos..." (vá lá, puseram "sem companheiro" e não "longe do companheiro")

E como estes exemplos há mais (e piores!)...Desculpem se vos pareço retrógrada, acho que cada pessoa, cada casal tem direito a definir a sua sexualidade seja em que âmbito for, desde que lhe(s) traga felicidade...De qualquer forma estas mensagens em revistas parecem transformar algo que é uma "alternativa" em algo comum, "super fashion"...Já sei que se defendem com a "liberdade", o falar "sem tabus", relembram a (aparentemente constante) emancipação feminina...Para mim, estão a incitar comportamentos que podem prejudicar algumas pessoas...(é que depois vem o assumir consequências, o sentimento de culpa e arrependimento)...

Que vos parece? Não acham que se pode falar sobre sexualidade de uma outra forma? Mais informativa e esclarecedora do que incitadora como parece o exemplo que vos deixei?
Andeniable
Membro Recém-Chegado
Membro Recém-Chegado
Mensagens: 10
Registado: sábado jul 05, 2008 10:45 pm

Re: Revistas Femininas vs Revistas Masculinas

Mensagempor Andeniable » terça mai 12, 2009 5:47 pm

anacgouveia Escreveu:Colegas,

Não sei se alguém tem por hábito ler ou passar "uma vista de olhos" a este tipo de revistas.. Eu gosto sempre de saber os conteúdos dominantes para atrair o público feminino e masculino, respectivamente..Julgo que muitas das vezes têm um contributo importante e felizmente, convidam psicólogos a escrever artigos interessantes sobre família, trabalho, etc etc.. Apesar de simples, acredito que esclarecem e ajudam algumas pessoas no seu dia-a-dia..

Agora o que me inquieta é o tema do "Amor"...Progressivamente, o Sexo assume uma preponderância excessiva..Sabemos que vende, não é verdade? No entanto, tanta informação (se não incentivo) sobre "novas tendências" remete os conceitos de amor, carinho, cumplicidade para um lugar sem importância..Parece que o que vale e está na moda é experimentar tudo (e quanto mais rápido melhor porque lá vem o lema de que a vida são dois dias)..E se alguns/algumas de nós sabemos discernir as coisas, um público mais novo pode ser um tanto ou quanto "corrompido"...

Deixo alguns exemplos de uma revista feminina deste mês:

"sempre quis experimentar s** com dois homens em simultâneo?Umas férias sem companheiro e vontade de ousar são os ingredientes necessários para ganhar coragem e contratar dois acompanhantes masculinos..." (vá lá, puseram "sem companheiro" e não "longe do companheiro")

E como estes exemplos há mais (e piores!)...Desculpem se vos pareço retrógrada, acho que cada pessoa, cada casal tem direito a definir a sua sexualidade seja em que âmbito for, desde que lhe(s) traga felicidade...De qualquer forma estas mensagens em revistas parecem transformar algo que é uma "alternativa" em algo comum, "super fashion"...Já sei que se defendem com a "liberdade", o falar "sem tabus", relembram a (aparentemente constante) emancipação feminina...Para mim, estão a incitar comportamentos que podem prejudicar algumas pessoas...(é que depois vem o assumir consequências, o sentimento de culpa e arrependimento)...

Que vos parece? Não acham que se pode falar sobre sexualidade de uma outra forma? Mais informativa e esclarecedora do que incitadora como parece o exemplo que vos deixei?



concordo consigo. Penso que essa situação é produto da sociedade em que vivemos. A aparência é o mais importante hoje em dia. Hoje não há erotismo misturado com paixão e amor. Há uma pornografia comercializada que somente tem coisas boas. Obviamente que isso não é verdade, uma vez que a pornografia não mostra os outros lados do sexo, como por exemplo, o facto de que se pode engravidar e "apanhar" doenças bastante graves ao praticar o acto sem protecção. Hoje em dia o que interessa é so mostrar o lado "bom" do sexo, o lado "mau" não interessa porque não vende. Hoje até há programas de tv para saber o que dá mais prazer, mas não há programas de tv para saber que tipos de contraceptivos e protecções existem pois ainda é na minha opinião considerado tabu. Ora isso confunde-me bastante uma vez que a saúde é o mais importante. O sexo é um mercado bastante atractivo e a saúde não convém ser mencionada. É o que eu acho. Boa tarde.
anasofia
Membro Sénior
Membro Sénior
Mensagens: 425
Registado: sábado fev 24, 2007 2:02 am

Mensagempor anasofia » terça mai 12, 2009 8:06 pm

concordo com tudo o que disse...
tambem nao sei até que ponto este bombardeamento nao será excessivo e inapropriado.
na minha opinião as pessoas sao cada vez mais vistas como objectos. como disse, o carinho, o afecto, etc. nao existem na nova moda...
quantos artigos em revistas femininas ou masculinas ja alguem leu sobre carinho, atenção, etc? eu nenhum. agora sobre os aspectos que referiu há inúmeros!
esses artigos, mais atrevidos deveriam ser colocados em, revistas proprias para quem procura especificamente esse tipo de coisas. por exemplo, em revistas sobre sexo.
nas revistas masculinas e femininas pode existir algum erotismo, e penso que muita gente as compras devido a esse factor, mas se fossem adicionados artigos mais produtivos para as pessoas no geral seria muito mais apropriado. para alem de o erotismo ser uma coisa, erotismo sem classe ser outra e pornografia outra!
O homem solitário ou é uma besta ou é um Deus. (Aristóteles)
Nova
Psicólogo Registado (PT)
Psicólogo Registado (PT)
Mensagens: 57
Registado: sexta set 24, 2010 3:10 pm

Re: Revistas Femininas vs Revistas Masculinas

Mensagempor Nova » terça ago 09, 2011 6:51 pm

anacgouveia Escreveu:Colegas,

Agora o que me inquieta é o tema do "Amor"...Progressivamente, o Sexo assume uma preponderância excessiva..Sabemos que vende, não é verdade? No entanto, tanta informação (se não incentivo) sobre "novas tendências" remete os conceitos de amor, carinho, cumplicidade para um lugar sem importância..Parece que o que vale e está na moda é experimentar tudo (e quanto mais rápido melhor porque lá vem o lema de que a vida são dois dias)..E se alguns/algumas de nós sabemos discernir as coisas, um público mais novo pode ser um tanto ou quanto "corrompido"...

Que vos parece? Não acham que se pode falar sobre sexualidade de uma outra forma? Mais informativa e esclarecedora do que incitadora como parece o exemplo que vos deixei?


Eu não consigo ler essas revistas... Já tentei mas acho-as demasiado (se calhar não vou descrever de forma certa) "superficiais e sensasionalistas" e depois não consigo olhar para elas. Obviamente que já tentei lê-las para estar a dizer que não consigo.
Em relação à afirmação acima concordo totalmente. Eu acredito que com a banalização do sexo (talvez não banalização mas o facto de as pessoas aceitarem que isso faz parte de nós e é natural) as pessoas deixaram de saber onde fica o amor... Para começar, o amor não é algo em que todos acreditem ou que cheguem a ter oportunidade de experenciar (como sabemos) e depois pensam que estar apaixonados, que é como quem diz "hormonas aos saltos", é o mesmo que amar alguém... Passou-se do extremo em que o assunto "sexo" era tabu e não podia ser discutido, para o extremo que num grupo de meninas de 13 anos se pergunta"Tu ainda és virgem" e outra responde algo do género "Claro que não! Achas!" com ar chocado (independentemente de ser verdade ou não) E ouve-se frequentemente as pessoas dizerem que o sexo é a parte mais importante da relação... O que discordo... Eu acredito que a par de tudo isto há uma queda de valores impressionante que está a contribuir para a situação que enuncias-te e isso deixa-me mesmo muito triste... Chegamos ao ponto de uma pessoa que mostre abertamente a sua convicção em valores, amor, ternura, que mostre que acredita nas emoções, não ser levada a sério ou ser ridicularizada...

O público mais novo já está corrompido. Eu tenho dado educação sexual a adolescentes do 3º ciclo de ensino e vê-se claramente onde eles deixam as emoções quando se fala de sexo... Pura e simplesmente a maioria não as contempla... :(
Quanto às revistas masculinas não sei dizer nada senão que pouco se distinguem das femininas... Os conteúdos estão todos lá na mesma :/ Acredito que se poderia falar de sexualidade de outra forma mas duvido que resultado em contexto de imprensa porque as pessoas simplesmente já não querem saber...

Voltar para “Arte, Cultura e Psicologia”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 2 visitantes