Superando a dor da rejeição

2016
jvalerio@netcabo.pt
Psicóloga clínica

A- A A+
Superando a dor da rejeição

A experiência da rejeição é algo que todos nós já vivenciámos ao longo da vida mas nem por isso deixa de ser menos dolorosa quando acontece.

Quem nunca se sentiu, naquele momento da infância, esquecido ou preterido por parte dos pais? E anos mais tarde, quando o  amigo mais chegado, começou a dar preferência à companhia de outro? 

Na fase adulta, esta é uma experiência que continua a ser vivida nas mais diversas situações, nomeadamente nas relações amorosas e de amizade mas também no contexto laboral quer em situações de despedimento ou na ausência de reconhecimento das competências para determinado cargo.

O sofrimento associado à experiência da rejeição é profundo, sobretudo face ao abandono e perda de figuras afetivamente significativas, o que poderá dar lugar a marcados sentimentos de tristeza aliados a sentimentos de zanga e revolta. É como se o investimento afetivo depositado naquela pessoa não tivesse sido correspondido, ficando o próprio numa economia de perda em que deu mais afeto que aquele que recebeu. 

É expectável que este seja um momento de dor e como tal é importante que o próprio conceda a si mesmo o tempo necessário para elaborar esses sentimentos, reavaliar a situação e refletir sobre o que aconteceu. Se a elaboração da perda se processa de maneira saudável, a reação depressiva não se prolonga no tempo nem se pauta por uma intensidade marcada, implicando um sentimento depressivo mas também de zanga.  No entanto, em personalidades depressivas, que durante a infância não se estruturaram de forma segura, a tendência centra-se na culpabilização do próprio face à não correspondência afetiva, sendo esta atribuída à falta de qualidades pessoais. Nestes casos, a frustração afetiva, a indiferença ou a rejeição por parte do outro são suscetíveis de levar à instalação de uma depressão mais grave, mais longa e mais intensa, com sentimentos de inferioridade, podendo induzir diálogos internos auto-punitivos tais como “ele deixou-me porque eu não sou suficientemente atraente e inteligente” ou “há pessoas mais interessantes que eu”.  

Por seu lado, os  indivíduos com personalidades mais seguras, quando percebem que não estão a ser correspondidos, tendem a reajustar o seu posicionamento naquela relação ou procuram chegar a uma solução de compromisso satisfatória para ambas as partes. Nos casos em que a separação é inevitável, importa aceitar e lidar com a tristeza que daí decorre para que as expetativas outrora criadas possam ser diluídas e finalmente seja tempo de voltar a investir na realidade externa, em novos projetos e em novas pessoas. 

Podemos então entender a experiência da rejeição como parte integrante do nosso crescimento, sendo mesmo possível ressignificá-la de forma diferente. Se olharmos para ela como o resultado da escolha do outro em seguir um caminho diferente, podemos integrá-la como sendo uma decisão que se prende acima de tudo com o processo pessoal dele e não nos vamos pôr em causa por isso nem interpretá-la como um ataque pessoal.  Assim, é possível vivenciar estas experiências de modo mais construtivo e tranquilo, na medida em que prevalece uma atitude de aceitação e respeito, não só pelo outro mas também pelo próprio, na medida em que a existência de uma auto-estima consolidada apenas torna aceitável uma relação em que haja correspondência afetiva. E isto promove a diluição de uma dor, que de outra forma,  nos aprisionaria ao passado, penalizando-nos e impedindo-nos de usufruir daquilo que mais importa: o presente.

 

Joana Valério

Joana Valério é Psicóloga, Membro Efetivo da Ordem dos Psicólogos e especialista em Psicologia Clínica e da Saúde e Especialista em Psicologia da Educação. Possui licenciatura e mestrado em Psicologia (área de especialização de Psicologia Clínica) pelo Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA). Realizou formação em Psicoterapia Psicanalítica pela Associação Portuguesa de Psicanálise e Psicoterapia Psicanalítica e é Formadora Certificada pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). Desenvolveu atividade clínica no Serviço de Psicologia e na Equipa de Almada (consulta externa e internamento) do Hospital Psiquiátrico Miguel Bombarda, ao nível da avaliação psicológica e psicoterapia. Exerceu atividade como formadora e, desde 2012, é técnica do Centro de Recursos para a Inclusão da Cerci, integrada no projeto de parceria com os agrupamentos de escolas locais, onde presta acompanhamento psicológico e psicopedagógico aos alunos referenciados com necessidades educativas especiais. Exerce clínica privada e, desde Março de 2016, integra a Equipa da ClaraMente, Serviços de Psicologia Clínica e Psicoterapia, que visa a promoção da saúde mental e da qualidade de vida daqueles que a procuram.