Desenvolvimento Pessoal

  • Auto-sabotagem... ou o medo do desconhecido?

    Auto-sabotagem... ou o medo do desconhecido?

    A auto-sabotagem pode ser entendida como um processo sustentado em crenças internas limitadoras, que levam a pessoa a adotar comportamentos repetitivos que lhe são prejudiciais. Este artigo dá a conhecer de que forma esta voz negativa interna que pode ter várias traduções, tais como “eu não consigo fazer nada bem” “eu não mereço ser feliz”, “acabo por perder todas as pessoas que amo”, pode condici ... ler artigo

  • A tristeza como um farol…

    A tristeza como um farol…

    Um dos meus “mentores” costuma dizer que quem não entristece… deprime. Susan Piver diz que o desespero é consequência de lutarmos contra a tristeza. O desconforto e mal estar associados a quando sentimos tristeza fazem-nos, por vezes, colocar no seu lugar emoções que imaginamos (e, mais do que isso, desejamos) magoarem menos, como raiva, desesperança, desamparo… ... ler artigo

  • Emoções desagradáveis… para que servem e qual a sua importância?

    Emoções desagradáveis… para que servem e qual a sua importância?

    Todas as emoções têm um propósito e são fundamentais para a nossa sobrevivência, bem como para o desenvolvimento psicológico e social. Este artigo convida-o/a a refletir sobre o papel crucial desempenhado por emoções sentidas como desagradáveis e tantas vezes reprimidas e negadas, tais como o medo, a tristeza e a raiva, e de que maneira a expressão adequada destas emoções pode ser potencialmente r ... ler artigo

  • Zona de conforto - ficar ou experimentar sair?

    Zona de conforto - ficar ou experimentar sair?

    Criar e manter uma rotina é algo importante, mais para umas pessoas, menos para outras. Mas quebrá-la de vez em quando também é essencial. A zona de conforto é um conjunto de actividades e de comportamentos que fazem parte de uma rotina, um padrão que minimiza o stress e os riscos possíveis. Nesse sentido, é algo muito importante para nós. Contudo, se nos limitarmos a estar dentro da mesma, poderã ... ler artigo

  • Sem direcção?... e a importância de conhecermos os nossos Valores

    Sem direcção?... e a importância de conhecermos os nossos Valores

    Por onde queremos ir, afinal? Por onde é que vamos? Em momentos como estes procuramos por algo que nos oriente, que nos guie, desejamos uma bússola nos indique o caminho... Parecemos esquecer (ou desconhecer) que é em nós que está essa resposta. É dentro de nós que podemos encontrar esse rebuscado instrumento de navegação chamado Valores. ... ler artigo

  • A Arte de sermos nós mesmos

    A Arte de sermos nós mesmos

    Sermos nós mesmos é algo que a maioria de nós aspira e que relaciona com uma postura de autenticidade, espontaneidade e liberdade perante a vida e os outros. Este artigo fala-nos de que forma podemos desenvolver o nosso auto-conhecimento e incrementar uma maior harmonia e autenticidade na relação connosco e com os outros, dominando cada vez melhor a arte de sermos nós mesmos. ... ler artigo

  • O medo de se sentir abandonada/o faz com que você evite se relacionar afetivamente?

    O medo de se sentir abandonada/o faz com que você evite se relacionar afetivamente?

    A ideia de um novo relacionamento é geralmente permeada de sentimentos intensos como paixão, carinho, vontade de estar perto, de auxiliar o outro, de ser aceite do jeitinho que se é, desejo de amar e de ser amada/o. Para que este envolvimento seja saudável no "aqui e agora" - momento presente, é esperado que exista uma troca afetiva mútua e recíproca pois será ela que irá possibilitar o desenvolvi ... ler artigo

  • O que há de "errado" num elogio que o torna desconfortável?

    O que há de "errado" num elogio que o torna desconfortável?

    Todos gostamos de ser elogiados. É bom, sabe bem ouvir um elogio, certo? Mas, de uma forma geral, temos dificuldades em aceitar um elogio... não é confortável, ficamos assim sem jeito, nem sabemos bem como agradecer, por vezes até o tentamos justificar. Alguns de nós por modéstia, outros simplesmente por não sabermos lidar, por não estarmos habituados a receber. ... ler artigo

  • A beleza da Vulnerabilidade

    A beleza da Vulnerabilidade

    Vivemos num mundo vulnerável. Esbarramo-nos constantemente com vulnerabilidades: as nossas, as dos outros, as dos contextos em que nos vamos movimentando, a vulnerabilidade primária da simples condição de sermos seres-vivos (“Para morrermos basta estarmos vivos”). Todos nós corremos o risco de perder alguém de quem gostamos, de sermos despedidos, de ter que despedir alguém, de ficar doente, de ser ... ler artigo