Pesquisa
 

 

 

   Formação e Eventos   |   Livros   |  Newsletter   |  Fóruns   |   Colunistas   |   Diretório de Psicólogos
   homepage  >  artigos de opinião

Será Freud o precursor da grande banalização sexual?
Carolina Cristina Careta
carolina_careta@hotmail.com
Psicóloga clínica e escritora.
2009

Idioma: Português do Brasil
Palavras-chave:

Vivemos uma era de extrema banalização moral e, principalmente, sexual. Em todos os meios de comunicação existentes, o sexo é regularmente mencionado, sejam estes revistas, sites na internet, livros etc. Abordando os mais variados assuntos, desde como surpreender o homem na cama, como ser uma mulher irresistível, guia de posições sexuais, até dicas para seu um homem ou mulher enlouquecer, o sexo é presente no dia-a-dia da mídia atual.

O grande público-alvo dessas matérias é sem dúvida o feminino, já que a população masculina prefere algo mais ousado, como revistas pornográficas. Quanto mais forte e explícito, melhor!

Mas, voltando no tempo, em qual época da História passou o sexo a ser tão discutido e repercutido, até chegar ao estágio de banalização atual?

Uma análise mais direta mostra Freud como o grande pioneiro no tema, pois no início do século XX, começou ele a publicar seus diversos estudos ligados à sexualidade infantil, complexo de Édipo, repressões, traumas, neuroses, etc.

Foi ele o ´corajoso´ que resolveu espalhar aos sete ventos ser o grande problema da humanidade de origem sexual, gerando polêmica e indignação na época. Mas também houve discípulos de Freud que, à sua maneira, seguiram suas teorias sexuais. Assim como também houve quem discordou, a exemplo de Jung, que acreditava em algo ´além do sexual´, inclusive místico.

Assim, o pai da psicanálise, se queria que suas teorias sexuais fossem aceitas, obteve grande êxito em tal meta. Suas idéias continuam a despertar interesse e gerar discussões, mesmo após sua morte. Resultado disso, hoje o assunto já não é chocante e negado. Pelo contrário, além de aceito, é preferência em todo planeta!

Dissecando minuciosamente o assunto, podemos ainda perceber nitidamente que se a prática sexual fosse terapêutica positiva para acabar com os desequilíbrios e as neuroses da humanidade, então o mundo atual deveria ser extremamente saudável, pois nunca o erotismo e as satisfações sexuais gozaram de tanto prestígio como atualmente!

Julga-se que mesmo os homicídios, a violência do estupro e o sadismo da crueldade são escapes da violência ´psicoemotiva´ do homem, originados pelo recalcamento do sexo e igualmente por culpa dos tabus vindos de séculos.

Assim sendo, essa descarga sexual e erótica na atualidade deveria proporcionar alívio à tensão e os perigos humanos, resolvendo parte dos problemas da violência, do crime e da infelicidade humana! Se extravasada essa enorme carga sexual considerada reprimida por Freud na sociedade, o mundo então entraria num saudável e tranqüilo ritmo de vida, graças à quebra dos tabus a favor do entendimento ´liberal´...

No entanto, a humanidade jamais enfrentou períodos de tanta violência, terrorismo, homicídios, desajustes conjugais, racismos e crimes estúpidos sem motivos plausíveis.Contanto também com uma lamentável inversão de valores, que anula os esforços das criaturas verdadeiramente talentosas, glorificando-se a mediocridade da pornografia e a nudez ´sensual´ como arte por exemplo, colocados ao mesmo nível elevado da pintura, da música, da escultura e dos gênios literários!

A banalização é visível e os motivos, mais explícitos, impossível! É chegada a hora em que toda e qualquer tipo de dúvidas são esclarecidas com um simples olhar ao redor de nosso espaço, e entenderemos que a situação atual em todo o planeta é merecida, devido as ações e regressões humanas!


 
  Versão para impressão
  Recomende este artigo
  Publique os seus trabalhos
  Como citar artigos obtidos na internet
 

 

MAIS ARTIGOS DE OPINIÃO SOBRE: Família, Casal e Sexualidade

 
Ciúme: do normal ao patológico
 
Ensaio sobre a homofobia
 
A evolução da infidelidade
 
A presidenta e sua identidade sexual sob suspeita
 
Bárbaros, hipocritas e a intolerância aos gays

 

 

 

 

 

 [Mais artigos de opinião]

 

 
 
 
 
 
 
 


 
 
Destaques

Consulte a nossa oferta de Dinâmicas de Grupo
Dinâmicas de Grupo

Consulte as novidades na secção de Livros
Livros


 
Sobre o Psicologia.pt   |   Informações Legais   |   Contactos   |   Publicidade   |   Pagamentos   |   Dados de tráfego
Recomende este site 
© 2005-2014 Psicoglobal, Lda
Todos os direitos reservados
Áreas da Psicologia   |   Artigos   |   Fóruns   |   Humor   |   Instrumentos Técnicos   |   Links
Livros  |   Newsletter   |   Notícias   |   Profissional e Estudante   |   Colaboradores   |   Directório de Psicólogos
Licença Creative Commons
O conteúdo desta página está licenciado sob uma
licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.