Pesquisa
 

 

 

   Formação e Eventos   |   Livros   |  Newsletter   |  Fóruns   |   Colunistas   |   Diretório de Psicólogos
   homepage  >  artigos de opinião  >  organizações e trabalho

Assédio moral no trabalho
Paula Regina de Oliveira
poliveira@publivendas.com.br
Relações Públicas e Especialista em Gestão de Pessoas na Organização.
2004

Idioma: Português do Brasil
Palavras-chave: Assédio, assédio moral, agressão moral, relações de trabalho, ambiente organizacional,

A educação

O assédio moral é uma das formas de representação social da degradação das relações de trabalho no mundo moderno, onde impera a figura do individualismo, da arrogância e da prepotência gerencial, que são atitudes inadequadas que envolvem relação de poder englobando a intenção de ofender, humilhar, constranger, diminuir o trabalhador no exercício de suas funções.

O assédio moral existe desde que surgiram as primeiras relações de trabalho, mas só nos últimos anos vem sendo amplamente discutido, principalmente devido às grandes mudanças que sugiram no ambiente de trabalho, com o advento da globalização, que gerou, o aumento do desemprego e da concorrência, o que levou muitos trabalhadores a se submeterem a situações vexatórias, diante das dificuldades em conseguir espaço no mercado de trabalho, cada vez mais exigente, com menos oportunidades de emprego e mais ofertas de profissionais.

Está havendo a banalização do assédio moral no ambiente organizacional isso se dá devido as grandes e constantes mudanças que virou rotina na vida dos trabalhadores. Nos dias atuais, identificamos uma busca incessante em manter alguma ordem perante o caos em que se transformaram as organizações nestes últimos anos. Tudo isso caracteriza uma percepção de que não há mais espaço para a mentalidade tradicional e que novas formas de relacionamento e comunicação se constroem, mas, na realidade, muitas empresas ainda não conseguiram se desvincular dos tradicionais métodos de administração de pessoas.

Atualmente, o trabalho é fisicamente menos duro devido ao desenvolvimento tecnológico, mas psicologicamente as pessoas sofrem mais, porque há menos solidariedade. O sistema de trabalho hoje propicia um tipo de comportamento que trata o trabalhador como um objeto descartável. É muito importante refletir sobre valores e princípios éticos e o que fazer para sustentá-los, defendê-los e, sobretudo, exercitá-los. Os trabalhadores estão cada dia mais vulneráveis, mais ameaçados, mais perdidos e vazios, sem saber a quem recorrer e confiar. Se a violência moral existe é obrigação da empresa criar condições mais harmônicas que resguarde a saúde do trabalhador.

A agressão moral pode causar danos irreparáveis à saúde da vítima de agressão, pois quando a pessoa é submetida a humilhações, pode manifesta doenças, originadas do estresse causado pelo sentimento de extremo sofrimento, impotência e incapacidade que a vítima de assédio é submetida. Está mas do que provado que o estresse pode levar o ser humano a um estado depressivo, de desequilíbrio emocional, transtornos ansiosos, que podem desencadear a origem de muitas doenças. A saúde física e mental da pessoa é afetada em conjunto com o abatimento moral, o constrangimento que leva a pessoa vítima do assédio moral a degradar a sua condição de trabalho e a sua qualidade de vida. Os sintomas podem acometer diferentes sistemas orgânicos e o trabalhador pode apresentar distúrbios psicossomáticos, cardíacos, digestivos, respiratórios, endocrinológicos, etc.

A empresa muitas vezes faz vista grossa, ou apresenta-se perplexa diante de uma situação de assédio moral aos seus colaboradores, porém muitas não sabem, ou não estão bem preparadas para como gerir melhor as dificuldades de seu pessoal. Legalmente a empresa é considerada culpada pela violência à moral, por muitas vezes ser conivente com a situação, pois, todas as empresas têm o dever de fiscalizar a atuação de seus funcionários e zela pela qualidade no ambiente de trabalho e pelo respeito à dignidade de seus funcionários, mas algumas organizações ainda mantêm culturas de relações desumanas e aéticas, onde predominam condutas negativas, chegando a negligenciar o abuso; desde que a situação traga lucro, com isso, a cada dia, passa a gerar mais cidadãos doentes.

É importante que a empresa conheça e oriente todos os seus colaboradores sobre, quais aspectos podem ser considerados assédio moral, quais prejuízos a empresa pode ter e principalmente quais as reações as pessoas podem manifestar quando submetidas à agressão moral. A prevenção consiste em sanear melhores condições de trabalho, melhorar o diálogo e a comunicação na empresa.


 
  Versão para impressão
  Recomende este artigo
  Publique os seus trabalhos
  Como citar artigos obtidos na internet
 

 

MAIS ARTIGOS DE OPINIÃO SOBRE: Organizações e Trabalho

 
O trânsito e as novas relações de trabalho
 
Novas regras para a produtividade
 
Neocompetência - Uma nova abordagem para o sucesso profissional
 
Autenticidade na responsabilidade social
 
Satisfação no trabalho: realidade ou ilusão?

 

 

 

 

 

 [Mais artigos de opinião]

 

 
 
 
 
 
 
 


 
 
Destaques

Consulte a nossa oferta de Dinâmicas de Grupo
Dinâmicas de Grupo

Consulte as novidades na secção de Livros
Livros


 
Sobre o Psicologia.pt   |   Informações Legais   |   Contactos   |   Publicidade   |   Pagamentos   |   Dados de tráfego
Recomende este site 
© 2005-2014 Psicoglobal, Lda
Todos os direitos reservados
Áreas da Psicologia   |   Artigos   |   Fóruns   |   Humor   |   Instrumentos Técnicos   |   Links
Livros  |   Newsletter   |   Notícias   |   Profissional e Estudante   |   Colaboradores   |   Directório de Psicólogos
Licença Creative Commons
O conteúdo desta página está licenciado sob uma
licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.